Filosofia: Ensino e Pesquisa

Que todos os seres sejam felizes! Que todos os seres tenham paz! Que todos os seres sejam livres!

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Um rato, uma fazenda e os demais - uma fábula sobre o individualismo



Um rato, olhando pelo buraco na parede, vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Pensou logo no tipo de comida que haveria ali.
Ao descobrir que era uma ratoeira ficou aterrorizado.
Correu ao pátio da fazenda advertindo a todos:
– Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa!
A galinha disse:
– Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo que isso seja um grande
problema para o senhor, mas não me prejudica em nada, não me
incomoda.
O rato foi até o porco e disse:
– Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira!
– Desculpe-me Sr. Rato, disse o porco, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser orar. Fique tranquilo que o Sr. Será lembrado nas minhas orações.
O rato dirigiu-se à vaca. E ela lhe disse:
– O quê? Uma ratoeira? Por acaso estou em perigo? Acho que não!
Então, o rato voltou para casa abatido para encarar a ratoeira.
Naquela noite, ouviu-se um barulho, como o da ratoeira pegando sua vítima.
A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia pegado.
No escuro, ela não viu que a ratoeira havia pegado a cauda de uma cobra venenosa. E a cobra picou a mulher… O fazendeiro a levou imediatamente ao hospital. Ela voltou com febre. Todo mundo sabe que para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja de galinha. O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal.
Como a doença da mulher continuava, os amigos e os vizinhos vieram visitá-la.
Para alimentá-los, o fazendeiro matou o porco.
A mulher não melhorou e acabou morrendo.
Muita gente veio para o funeral. O fazendeiro então sacrificou a vaca, para alimentar todo aquele povo.
“Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se de que, quando há uma ratoeira na casa, toda fazenda corre risco. O problema de um é problema de todos.” 

(Autor Desconhecido)

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Zonas Azuis




Você já ouviu falar das zonas azuis?
As zonas azuis são locais no mundo onde as pessoas são mais longevas, ultrapassando muitas vezes a marca de 100 anos de idade. Tais regiões foram identificadas por cientistas e demógrafos, que constataram nos locais características e práticas específicas que resultam em casos de alta incidência de longevidade.
Em 2004, Dan Buettner uniu-se com a National Geographic e os melhores investigadores de longevidade do mundo para identificar bolsões ao redor do mundo onde as pessoas vivem mais tempo e com melhor qualidade de vida.


Os locais estudados são:
Ilhas de Okinawa no Japão,
Loma Linda na Califórnia,
Península de Nicoya na Costa Rica,
Sardenha na Itália e
Icária na Grécia

Vamos descobrir quais as principais lições?
“Renda-se aos Vegetais”: a alimentação é simples e predominantemente a base de frutas e legumes. Comem pouca carne ou são vegetarianos. Consumo de industrializados e transgênicos praticamente nulo.
“Regra dos 80%”: comem menos. Os Okinawanos têm uma prática chamada hara hachi bu, o que significa "comer até estar 80% satisfeito”.
“Mova‑se de forma natural”: não fazem maratonas ou levantam pesos; trabalham em torno da casa, jardim, andam a pé, de bicicleta, andam por montanhas. O dia a dia é ativo e as atividades físicas naturalmente fazem parte da rotina.
“Modere o álcool”: algumas excluem seu consumo, outras o consumo é moderado como por exemplo o vinho tinto.
"Respeite seu corpo”: respeito pelo corpo como um templo.
“Tenha um propósito”: Ter uma razão para acordar de manhã, um propósito de vida. Os idosos são respeitados e mantidos como parte integrante nas comunidades em geral. Idosos e jovens participam de atividades juntos.
“Tribo Certa”: praticam um forte senso de comunidade. Constroem uma rede social que apoia comportamentos saudáveis. Família e apoio da comunidade são extremamente importantes.
“Sem stress”: encontram formas de liberar o estresse, seja rezando, praticas espirituais, meditação, dormindo ou reunindo com amigos.
"Baixo Sentido de Urgência”: vida tranquila, baixo uso de relógio reduzem a ansiedade.
"Pratique sua fé”: Não importa como pratica sua espiritualidade, mas esse é um ponto importante nessas zonas azuis.
“Descanse”: o repouso é merecido! Boa noite de sono, sesta ao meio do dia, um dia especial para descanso são alguns dos hábitos dessas comunidades.

Interessante não é? E sabe o que é melhor? Que mesmo você não vivendo nessas áreas, você pode mudar seus hábitos e desfrutar de mais saúde. Basta querer!
Muda! Que quando a gente muda, o mundo muda com a gente!

--
Fonte: Consciência Viva / Ana Claudia R. Berrocoso / Itatiba / Brasil